Latache Engenharia deebate com consultores imobiliários novidades para o mercado imobiliário

vsmple 1

Carlos Santos e Osano Barreto da Latache, Wamplê, Arquimedes e Marcos Alves no encontro para discussão das novidades para o mercado imobiliário

Os empresários Carlos e Osano da Latache Engenharia tiveram encontro ontem com o consultor imobiliário Wamplê e com corretor Marcos Alves para discussão de implantação de novos empreendimentos imobiliários na região do Agreste. A conversa informal aconteceu no Shopping Difusora o o jornalista Severino Tomaz esteve presente e registrou a parceria que está sendo implementada para a transação imobiliária. Em breve novidades para o mercado imobiliário

vamplê 2

O jornalista Severino Tomaz presenciou a reunião de negócios imobiliários

 

Vereador Léo do Ar chama Pedro Martiniano de mentiroso e diz que na sexta feira a oposição está pronta para votar o projeto de reajuste dos professores

Em entrevista ao programa a Hora da Verdade do radialista Gilvan Vieira, na rádio 106,7 de propriedade do ex-prefeito Joaquim Neto, explicou os motivos que levam a oposição a não ir para a reunião extraordinária convocada pelo atual presidente da casa que está sob júdice e dessa forma não poderia dirigir os trabalhos.

Segundo o vereador Léo do Ar, Pedro Martiniano não é mais o presidente da Câmara Municipal por decisão judicial e, portanto, é ilegal o ato de convocação extraordinária. Para o parlamentar o objetivo do vereador Pedro Martiniano é querer se afirmar no cargo a partir do momento em que os vereadores assinem as atas e o livro de ponto referendando-o na presidência.

Ainda segundo o vereador Léo do Ar, o presidente destituído, entrou com recurso de Embargo Declaratório que lhe dá mais quinze dias até a promulgação de uma sentença que o deixe no cargo ou que o tire do cargo e o interessante é que o prazo termina hoje, 18, logo em breve saberemos legalmente se Pedro é ou não é o presidente da casa.

O vereador Léo do Ar assumiu um compromisso com a classe dos professores de que na sexta-feira, caso seja resolvido o impasse hoje,  os vereadores da oposição comparecerão à câmara e votarão o reajuste dos professores. Disse também o vereador que o prefeito pode pagar esse mês e o próximo com o reajuste e com a situação da câmara resolvida a votação acontecerá normalmente.

Portanto, os vereadores da oposição aguardam a decisão da justiça hoje para definir a situação da câmara e saber se vai ter uma nova eleição para a mesa diretora ou se a atual mesa diretora será confirmada no cargo.

Funcionária Fantasma

Com relação a acusação do vereador Pedro Martiniano de que o vereador Léo do Ar tinha uma pessoa sua nomeada no gabinete do prefeito desde maio e que não dava expediente, sendo portanto, funcionária fantasma, o vereador Léo do Ar desafiou o vereador Pedro Martiniano e o prefeito a provarem que essa funcionária foi indicada por ele.

Convocou a funcionária Maria de Lima Guedes a comparecer a rádio e provar que foi ele quem pediu a sua nomeação e que ela é ligada politicamente a ele.

Ora, estamos diante de um fato gravíssimo!

Quem é Maria de Lima Guedes? Onde mora? O que faz? Será que ela existe ou foram feitos documentos falsos para se contratar uma pessoa que não existe? Ou será que se utilizou documentos de alguém que já morreu ressuscitando a figura do eleitor-defunto e do funcionário defunto que foi tão utilizados pelos coronéis para desviar dinheiro público?

É preciso uma investigação séria a esse respeito e o vereador Léo do Ar garantiu que está entrando com ação pedindo ao Tribunal de Contas do Estado auditoria na folha de pagamento para identificar se Maria de Lima Guedes existe e se existe porque não trabalhou? Além disso, vai servir também para identificar outros casos semelhantes e talvez aí se explique porque a folha estava em 70%, 16% acima do que a lei permite.

Com a palavra o vereador Pedro Martiniano e o Prefeito Bruno Martiniano.

Legal ou ilegal a mesa diretora da Câmara Municipal de Gravatá?

Segundo os vereadores da oposição em nota publicada nas redes sociais e mesa diretora da Câmara Municipal não tem embasamento legal para continuar dirigindo a casa. Sem citar nenhum número de processo, ou mesmo cópia da sentença que decreta a ilegalidade e afasta de forma imediata o presidente do cargo, os vereadores da oposição justificaram a ausência na votação do reajuste dos professores.

Em um trecho da nota oficial da oposição lemos:

“Nós os vereadores que fazemos a oposição com responsabilidade em nossa Gravatá, estamos vindo a público informar que nosso posicionamento de não comparecer a votação do projeto de aumento salarial dos professores da rede pública Municipal, não significa posição contrária ao projeto, mas sim contrária a ilegalidade do atual presidente em querer presidir a sessão quando o mesmo está afastado da presidência por medida judicial e de forma arbitrária não querendo cumprir a determinação que a justiça lhe impõe”.

Mas a frente em outro trecho a nota afirma:

“…não podemos é participar de um ato ilegal, uma vez que o cargo da presidência se encontra vago e o Sr. Vereador Pedro Martiniano está impedido pela justiça de presidir qualquer sessão da Câmara de Vereadores”.

 

Finalizando a nota diz que os vereadores só voltarão à Câmara quando as condições legais da casa forem restabelecidas.

A dúvida que fica é que se essa ilegalidade é verdadeira chegamos de fato no fundo do poço, pois a atitude do presidente Pedro Martiniano pode ser caracterizada como desobediência civil o que provocaria não só a sua retirada do cargo, mas também a sua prisão por descumprimento de uma ordem judicial.

O que precisamos são de dados concretos por que se de um lado a oposição afirma que a permanência do vereador Pedro Martiniano a frente do cargo é ilegal, do outro lado os assessores da presidência da câmara afirmam que está tudo dentro da lei e que o presidente pode recorrer da decisão sem precisar renunciar, se afastar ou ser retirado do cargo, conforme nota publicada pelo assessor Edson Matos no blog do secretário de imprensa da cidade, onde afirma que a decisão da justiça está  sendo cumprida, que já foi impetrado recurso e que o presidente pode continuar no cargo.

Quem está com a razão? Essa é a pergunta que a população faz, principalmente os professores que tiveram a aprovação de um reajuste de 13,1% rejeitado por falta de quórum, em função dos vereadores da oposição não terem comparecido a reunião que analisou o projeto enviado pelo executivo.

A dúvida é saber se os vereadores da oposição comparecerão a reunião convocada extraordinariamente para votar o projeto de reajuste dos professores, desconsiderando a ilegalidade da presidência da casa, como eles mesmos afirmaram e assim optando por participar de um ATO ILEGAL, de acordo com o que eles assinaram.

A reunião extraordinária acontece amanhã e até agora não tivemos nenhum pronunciamento oficial da bancada de oposição para responder se vai ou não a reunião, se vai ou não votar a favor do projeto, se vai ou não aceitar Pedro Martiniano.

Caberia a justiça ser mais ágil ou colocar sentenças claras que não dessem margem a interpretações dúbias que provocam essas situações de conflito onde os prejudicados são sempre os mais fracos, nesse caso os professores.

#1 Programa VejaCasa

Convite: 1º Encontro de Corretores de Caruaru

O escritório Paiva Advocacia Especializada chega a Caruaru e instala uma unidade de Direito Imobiliário a fim de atender a cadeia produtiva da construção civil e, principalmente construtoras, incorporadoras e imobiliárias. Além disso a Paiva Advocacia Imobiliária vai dispor gratuitamente serviços jurídicos para pessoas carentes a fim de solucionar questões ligadas ao setor imobiliário como regularização fundiária, legalização de propriedades, documentação imobiliária, etc.

Contando com a experiência da Advogada Vanessa Tadeu Paiva, formada em Direito pela Asces, em Letras pela UPE, com MBA em gestão pública pela FAVIP e com especialização em elaboração de projetos pela FGV, Direito de família contemporânea pela Esade Laureate International Universities. Ao seu lado o Consultor de Negócios Alan Paiva, especialista em captação de clientes e soluções de conflitos.

O escritório estará funcionando na cidade de Caruaru a partir de abril e para iniciar as suas atividades na capital do Agreste realiza o 1º Encontro de Corretores Imobiliários de Caruaru,com apoio da Rota 232 Comunicação Imobiliária que foi contratada para prestar serviços de assessoria de comunicação e desenvolvimento de estratégias de marketing.

O 1º Encontro de Corretores de Caruaru será realizado no dia 21 de março, no Teatro do Shopping Difusora, das 8h às 17h e conta com a seguinte programação.

cartaz encontro de corretores3

 

 

Gravatá é uma cidade turística

Há 10 anos que faço esta pergunta a respeito do tipo de papel que a nossa cidade quer desempenhar no mercado com relação ao tipo de economia que quer adotar, para garantir a viabilidade dos projetos que são discutidos e propostos.

Nos últimos meses algumas idéias debatidas anteriormente voltaram a cena como a implantação de um condomínio industrial em Gravatá, com o objetivo de gerar emprego e renda para a população.

Vejo com preocupação esta ânsia de se instalar fábricas e indústrias numa cidade que levou cinco décadas para se consolidar como ponto de turismo do estado, implantando uma das maiores redes hoteleiras do Nordeste, com mais de 2000 leitos disponibilizados para os visitantes. Construindo privês que hoje somam mais de 600 e contam com quase 30 mil casas de segunda residência. Disponibilizando uma cadeia gastronômica já reconhecida a nível nacional e realizando grandes eventos que atraem grandes públicos como Semana Santa, São João, Virtuosi e até 2013 o Natal Luz.

Gravatá é um município que tem aproximadamente 500 Km2, tem relevo de montanhas e possui em determinados períodos um clima que chama a atenção pelas baixas temperaturas, sendo um dos poucos com dois biomas claramente identificados o da caatinga, frágil, ameaçado e dentro da faixa de desertificação que vem do Piauí até o nosso estado e o outro o de Mata Atlântica, mas precisamente de Brejo de Altitude, que dispensa comentários em termos de degradação, redução, destruição e utilização indevida dos recursos naturais existentes. Sobrevivendo nas pequenas manchas verdes ainda remanescentes e desprotegidas das autoridades que não implantam programas de proteção e começam a serem invadidas também pela construção civil.

Neste cenário de uma região que não tem água nem para consumo humano e nem para a criação animal, fica meio sem sentido se falar na implantação de indústrias com o único argumento de se gerar emprego para a população gravataense. É importante destacar que esta meta nunca será atingida, se antes não houver um forte investimento na área de capacitação e qualificação da mão de obra local, sob o risco de gerarmos empregos para outras cidades e nos transformarmos numa cidade dormitório, não mais a do maior PIB de Pernambuco, mas de muitos operários de salários mínimos.

Isso aconteceria porque os investimentos em condomínios residenciais de alto padrão, construção de mansões e implantação de mais hotéis, tenderia a migrar para outras cidades como Chã Grande, Amaraji, etc, e no seu lugar surgiriam as pousadinhas, e os albergues para abrigar os operário de outras regiões.

As implicações dessas mudanças precisam de uma discussão mais aprofundada, sem paixões, sem cores de campanha e devem começar a serem incluídas nas agendas dos principais  líderes políticos de Gravatá sob pena de espantarmos os investidores imobiliários que já se mostram desconfiados com o modelo de gestão adotado pelo atual gestor, que não a juda a desenvolver a cidade na sua fonte econômica que é o turismo.

 

Os que têm seus investimentos na cidade, bem como aqueles que escolheram Gravatá por ser uma cidade atrativa e também os que promovem eventos e outras atividades que incentivam o trade turístico devem sentar e discutir o Futuro de Gravatá e definir que tipo de cidade nós somos, qual a nossa vocação, qual a nossa identidade e o que faremos para sobreviver.

Não sabemos nem se somos uma cidade turística, pois não temos estudos que mostrem o tipo de turismo que realizamos ou que devemos realizar, que apresentem dados relativos à nossa capacidade de carga, que indiquem os caminhos para a implantação de projetos que contemplem as diretrizes de um planejamento que respeite o plano diretor da cidade (que nem existe mais) e ainda queremos ser uma cidade industrial.

Esta é uma discussão da qual não podemos abrir mão e faço um apelo aos membros do Conselho de Turismo de Gravatá para que se juntem ao Jornal de Gravatá neste Forum de Turismo, sob pena de abandonarmos a única base econômica realmente viável para o crescimento de Gravatá e apostarmos numa nova variante ( a indústria) cujos resultados são imprevisíveis.

Precisamos decidir se vamos optar pela fumaça das fábricas ou se vamos continuar com nevoeiro que tanto encanta aos turistas e moradores. Precisamos saber se vamos subir para Gramado, nossa cidade irmã ou se vamos descer para Vitória de Santo Antão, com seu foco na indústria.

Para participar deste Forum passe um jornalrota232@gmail.com ou ligue 81 – 9989.2523 / 9259.1842

Uma homenagem a Gravatá: Vamos Gravatear

A Rota 232 parabeniza a cidade de Gravatá pelos seus cento e vinte e dois anos e deseja que a cidade se torne tão bonita e tão forte como o pé de baobá plantado na Praça 10.

A Rota 232 convida você para Gravatear

Lá de cima do cruzeiro
Vejo uma paisagem infinita
Que um dia Osiris Caldas
Chamou de “Cidade Bonita”.

Desço pela frente do cemitério
Morada de quem sai dessa vida
Ao encontro do grande mistério
Fazendo a derradeira despedida.

Ou desço pelo outro lado
admirando o belo fim de tarde
Lentamente, degrau por degrau
Na histórica escada da felicidade

Vou andando pela rua Sete
Sento um pouco  na Praça Dez
curto a brisa do agreste
Descanso um pouco os meus pés.

De cima do Pontilhão
Olho a montanha esverdeada
Depois visito a Matriz
E a sorveteria Alvorada

Sigo em frente
Passo na Casa da Cultura
Conheço a história dessa gente
Que tem história de fartura

Admiro a Câmara, a Prefeitura
As Salesianas e muito mais
Vejo a beleza da Arquitetura
Dos casarões sem iguais.

Vou à estação do Artesão
Pertinho da linha do trem
Conheço o artista gravataense
Cuja arte igual por aí não tem.

A bonequinha da sorte
Ninguém vai deixar de levar
Neste passeio formidável
Pelas belas ruas da bela Gravatá

Na frente da estação
Vejo escritor, artista e poeta
Vou à Academia de Letras e Artes
Onde o talento tem parada certa

No outro lado da rua
Posso admirar
O pátio de eventos
Chucre Mussa Zarzar

Não descansarei um segundo,
Mas cansado não vou ficar
Respiro o melhor clima do mundo
Na minha querida Gravatá

Conheço mais ainda
Se tempo tiver para andar
Na área seca ou na área molhada
Opção não vai me faltar.

Túneis, flores e cachoeira
Chalés, montanhas e matas
Rio, açude e ladeira
Beleza natural é o que não falta.

É beleza de leste a oeste
Não posso deixar de me lembrar
Das mais belas flores do agreste
As lindas mulheres de Gravatá.

Amo a minha Gravatá,
Um lugar de gente feliz e bonita
E como eterno turista
Sempre vou Gravatear
E amar a minha Gravatá
Por isso vamos gravatear

Eu Gravateio
Tu Gravateias
Ele Gravateia
Nós Gravateamos
Vós Gravateais
Eles Gravateiam

Por Tomaz de Aquino
Jornalista e escritor

Coluna semanal do Mercado Imobiliário: Por Tomaz de Aquino (14/03)

Leia a coluna semanal deste sábado (14/03), Mercado Imobiliário, escrita pelo jornalita Tomaz de Aquino para o Jornal Vanguarda.

vanguarda_14_03

Coluna Semanal do Creci-PE

Coluna Creci-13-03-2015

VIDA PESSOAL E VIDA PROFISSIONAL (HÁ DIVISÃO?)

Trata-se de um questionamento muito recorrente entre os gestores de recursos humanos e no interior das empresas, devido, principalmente, às agendas sobrecarregadas a que se submetem muitos profissionais.

O que ocorre é que, sobretudo, com a ampliação das liberdades pessoais, os profissionais estão se permitindo também questionar acerca do uso que fazem do tempo e, em última análise, do que estão fazendo de suas próprias vidas além de trabalhar.

Alguns podem arrazoar que essa temática já esteja resolvida e outros dirão que é uma questão insolúvel, porém, o questionamento continua presente e cada vez mais forte: afinal, entre vida pessoal e vida profissional, há divisão?

A percepção de que o tempo e suas vidas estão passando muito rapidamente reforça a necessidade de alinhar alguns pontos relacionados à felicidade, à autorrealização…

Concordo, poderá pensar o leitor, mas o que isso tem a ver com liderança?

A constatação dessa inquietude torna-se, verdadeiramente, uma imensa e promissora oportunidade para o líder atuar de forma construtiva e colaborativa com seus liderados se assumir que é uma questão relevante e que, inclusive, ele faz parte do grupo de profissionais que tem conflitos internos para equalizar seu exercício profissional e dedicar-se a vivenciar outros aspectos (e são muitos) que ultrapassam os limites do trabalho, portanto, é um líder engajado também no enfrentamento desse choque que acontece entre o esforço para ganhar dinheiro e a conquista da qualidade de vida.

Como o líder pode apoiar sua equipe na ampliação da visão acerca da vida profissional x vida pessoal?

Primeiramente sendo um exemplo de pessoa integral, que não divide sua vida em pedaços, ou seja, trabalhar ou fazer qualquer outra atividade, seja na vida familiar, social ou individual é uma coisa só, embora os contextos exijam papeis sociais diferenciados.

Aqui entra uma habilidade fundamental para o líder neste início do Século XXI: ser exemplo porque os liderados só escutam o que ele faz. Assim, mais do que simplemente abrir espaço para reflexão sobre esse tema, é o líder demonstrar naturalmente que vivencia cada movimento da vida de forma plena e diminui o próprio sofrimento por conta dos conflitos internos porque pensa e vê a vida integral e não fragmentada. Quem está dividido dentro de si mesmo vê o mundo da mesma forma. A vida não é só trabalho e nem o trabalho é a única maneira para se conquistar e satisfazer desejos. O que é mais valioso nesta vida não pode ser comprado por dinheiro.

Como poderá manter sua família unida pela sua presença agradável e construtiva? Primeiramente, tendo o tempo para ficar com ela.

Como conquistará novos amigos e, ao mesmo tempo, cuidará das amizades já conquistadas? Tendo tempo para falar com eles, visita-los, receber visitas, “curtir” sua cada que é seu espaço sagrado.

Como cuidar da saúde e ampliar a qualidade de vida? Tendo tempo para fazer atividades físicas, ir ao médico regularmente, alimentar-se de forma calma e adequada? Tendo tempo para tudo isso. Se você só trabalha, trabalha, trabalha e trabalha, em que momento cuidará de tudo isso?

Como fica claro, falar sobre qualidade de vida e explicar que a vida é um todo e que todas as suas dimensões são importantes para a pessoa, não é exatamente o que se espera de um líder. O que se espera é que o líder viva, se esforce para ser congruente entre o que diz e o que faz. E é nessa postura de vivenciar a integralidade da existência é que conquista autoridade e respeitabilidade para estimular sua equipe nesse caminho de realização integral.

Essa realização integral soa como algo utópico? Sim, mas o líder integral sabe que a realidade pode transformada quando se tem um ideal elevado, um sonho que faz com que o cotidiano seja na empresa ou qualquer outro ambiente no qual a pessoa, o profissional, se encontre, a motivação se torna concreta e renascem aí novos homens e novas mulheres que se sentem capazes de trazer mais alegria em suas almas.

Alguém duvida que uma equipe formada por profissionais minimamente felizes tem uma postura mais positiva no seu fazer cotidiano?

 

aluisio alvesPor Aluísio Alves: Treinador de Líderes e Equipes. Palestrante. Educador, Psicanalista e Escritor. Doutor em Educação. MBA em Gestão Empresarial e Administração Hospitalar. Gerente e Diretor do HC Uberlândia (2001-2010).aluisioalves17@gmail.com (34) 8419 0227 (Triângulo Mineiro) e (35) 9148 1762 (Sul de Minas) www.yashimek.com.br -*Associado à Yashimek – Coaching, Palestras & Cursos – Atendimentos em todo o Brasil.